Quantos me visitaram ?

13 de julho de 2010

FALTA DE EDUCAÇÃO

Tornou-se uma prática irritante, dentro dos bancos de todo o país, você ser atendido por gerentes e seus auxiliares de um modo muito estranho, para não dizer com total falta de educação. Trato lhano e educado não é jogar mesuras de um lado para o outro dentro do ambiente de trabalho e dar risinhos amarelos, tentando encobrir a chatice de um emprego estafante e mal remunerado, como esse de atendente bancário. Não é só isso, não! Ser educado, como minha mãe me ensinou, é dar toda a atenção a todos, principalmente aos aos mais velhos; aos menos informados; aos necessitados e, principalmente, às visitas. O cliente de um banco que vai pedir informações ao gerente de uma agência é uma visita. Lá em casa, eu, quando recebo alguém, jamais atendo a um telefonema e muito menos fico batendo papo com quem me procura por telefone ou por qualquer outro meio de comunicação interpessoal, mesmo que o assunto seja importantíssimo. Para isso deve-se ter um mínimo de inteligência e algum expediente, para contornarmos a situação, sem melindrar ninguém, muito menos a nossa visita. Pois bem, fui conversar, na segunda-feira passada, com a gerência do Banco Itaú, na Avenida Brasil, da bonita cidade de Balneário Camboriú e minha conversa foi interrompida mais de três vezes pela funcionária, atendendo chamados telefônicos, deixando-me perdido em meu raciocínio, pois tentava respostas para assuntos financeiros que não dominava. E mais! A pobrezinha da auxiliar de gerente fez com que eu digitasse várias vezes minha senha, sem nenhum resultado, pois sempre atendia ao toque estridente do telefone, o que me tirava a concentrarão e a paciência. A bronca foi inevitável. O gerente, ao lado, disse que eram normas e obrigação de todos os atendentes prestarem informações, tanto presenciais como à distância, por telefone. É, parece até escola moderna com os famigerados Cursos por Teleconferência. Isso, francamente, não é uma forma polida de se prestar serviço! E como eu não estava matriculado naquela escola de Cursos à Distância, embora fosse "aluno-cliente" há mais de 25 anos daquele banco escolar, fui à “secretaria” e pedi meu “boletim” para desligamento, pois existem muitos outros estabelecimentos do gênero aqui nessa bonita cidade onde moro. Se todos os clientes mal atendidos tomassem a atitude que tomei, na hora, em bom e alto som, todos os serviços de repartições públicas ou privadas dariam um salto fantástico de qualidade. Por enquanto, quem pulou para um outro BANCO fui eu.

ATÉ A PRÓXIMA

Um comentário:

... disse...

Concordo plenamente, tenho conta na agência do HSBC em Camboriu mesmo, ainda tenho a esperança de que quanto menor a agência maior a atenção ao cliente, mais infelismente apenas durante esse ano o gerente da minha conta ja mudou duas vezes e foram sequer incapazes de me informar. E ainda argumentaram quando reclamei ... é que a Sra qse nunca aparece na agencia ... respondi num ar ironico, cliente bom é assim nunca aparece deposita paga as taxas e nem incomodar incomoda mas esta cada vez mais dificl a educacao em qq prestacao de servicos parece que fazem um favor em nos atender, qdo na verdade os favorecidos sao eles.

Arquivo do blog

Quem sou eu

Minha foto
Balneário Camboriú, Sul/Santa Catarina, Brazil
Sou professor adjunto aposentado da Universidade Federal Fluminense (UFF) e da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Sou formado em Letras Clássicas pela UERJ. Pertenço à Academia Brasileira de Filologia (ABRAFIL), Cadeira Nº 28.