Quantos me visitaram ?

28 de maio de 2007

JOAQUIM RIBEIRO - 100 ANOS

CENTENÁRIO DE NASCIMENTO DE JOAQUIM RIBEIRO

Ontem, no dia 27 de maio, comemorou-se o centenário de nascimento de Joaquim Ribeiro. Joaquim era filho do polígrafo, historiador, imortal da ABL e ilustre homem das letras e das pesquisas filológicas, João Ribeiro.
Joaquim Ribeiro herdou de seu pai o gosto por todas essas atividades intelectuais, atuando, com invejável erudição, como professor e investigador nas áreas da História do Brasil, do Folclore, da Estética, da Estilística, da Hermenêutica, do Romance, do Teatro e da Educação. Tive a honra de privar de sua amizade no início de minha carreira no magistério, nos idos da década de 60, no Rio de Janeiro. Joaquim Ribeiro me apresentou a inúmeros intelectuais da época, como o editor J. Ozon, Maciel Pinheiro, Libânio Guedes, Manuel Bandeira e muitos outros.
Numa visita à casa de campo de Maciel Pinheiro, em Teresópolis, conversamos sobre a possibilidade de escrevermos, cada um, um romance. Ele prefaciaria o que eu iria escrever e eu editaria o dele, pois já o tinha todo elaborado em sua aguçada mente . Nunca terminei o que seria O Ventre Livre, mas Joaquim chegou ao fim do seu “Gavião de Penacho”. Não editei esse romance nem “O Folclore Tupi”, pela, então, Editora do Professor, que fundara com o empresário Pedro Paulo Martins. Eram tempos difíceis e as gigantescas máquinas que imprimiam no chumbo derretido as linhas de todos os livros, as famosas máquinas de linotipo e monotipo, já não funcionavam a contento, esperando pela anunciada modernização do setor gráfico. Contudo, alguns livros de significativo valor saíram de nossa editora e chegaram a ver a luz das vitrines de muitas livrarias do Rio de Janeiro.
Joaquim Ribeiro foi um homem bom, sincero, amigo e justo. Antes de morrer não deixou ao relento uma família inteira que ocupara, por invasão, uma pequena propriedade que possuía na Barra da Tijuca, socorrendo aqueles necessitados, desprovidos de um teto para morar. Foi sua última atitude humanitária. Seu coração frágil não suportou fulminante infarto. Foi sepultado no Cemitério São João Batista, no dia 28 de abril de 1964.
Joaquim Ribeiro foi Técnico de Educação do Ministério da Educação, professor da Escola Dramática Municipal e do Colégio Pedro II, além de professor da Faculdade de Filosofia de Campo Grande. Deixou numerosos livros sobre literatura, filologia, história e folclore. “Estética da Língua Portuguesa” e “Civilização Holandesa no Brasil”, esta em colaboração com José Honório Rodrigues, ambas premiadas pela Academia Brasileira de Letras. Outras obras de Joaquim Ribeiro: “A Descoberta do Brasil pelos Árabes – como se formula uma hipótese histórica”, “Origem da Língua Portuguesa”, “Folclore dos Bandeirantes”, “Oito mil dias com João Ribeiro”, “Introdução ao Estudo do Folclore”, “Estética da Língua Portuguesa, segunda edição”, “Teoria da Hermenêutica da Literatura”. Escreveu três peças teatrais: “Aruanda”, “Yemanjá” e “Deuses de Ferro”, sendo que só a primeira foi encenada. De sua autoria foi o argumento para o primeiro desenho animado brasileiro, intitulado “Sinfonia Amazônica”. Era membro da Academia Brasileira de Filologia, do Instituto Histórico e Geográfico do Rio de Janeiro, do IBECC, órgão da UNESCO no Brasil, e foi conselheiro da Campanha de Defesa do Folclore. Na orelha da 2ª edição da "Estética da Língua Portuguesa", assim se expressou o professor e jurista, Raul José Côrtes Marques, nosso amigo comum: “Ainda é muito cedo para se emitir um juízo crítico sobre a obra de Joaquim Ribeiro. Na verdade, se há uma parte publicada, grande é o número dos livros que aguardam publicações”. E acrescentamos nós, quarenta e três anos depois de sua morte. A obra de Joaquim Ribeiro continua, ainda, sem um estudo crítico à altura de sua impressionante cultura humanística e de sua plurifacetada inteligência.

3 comentários:

Anônimo disse...

Muito obrigado Professor Feijó pela oportuna [e única] síntese biográfica do Dr. Joaquim Ribeiro.
Lí, recentemente, os volumes editado por J. Ozon. Estética da Língua Portuguesa, 1964; e Teoria e Hermenêutica Literária, 1969. - Volumes em excelente estado que estavam à venda n'uma feira de Livros Usados.
Foi puro deleite a leitura destes títulos. O filho é segmento do pai em erudição, linguagem clara e abordagens precisas.
Por favor, se o Senhor dispõe de mais dados, publique-os na Wikipedia.

Isaias Caetano da Silva

isaias_caetanodasilva@yahoo.com.br

Carioca Da Rua disse...

Bom Dia Dr Feijó, tem uma escola em inhauma-rj com este nome. O sr. Sabe se foi em Homenagem ao Professor?

Professor Feijó disse...

Sim, foi em uma justíssima homenagem ao grande mestre filólogo Joaquim Ribeiro. Privei da amizade com o professor e tive a oportunidade única de muito aprender sobre muitas coisas, como hermenêutica, filologia, folclore, história geral e do Brasil, além de passar a compreender, ainda muito cedo, naqueles idos dos anos 60, o grande e principal papel da Escola: o de formar cidadãos. Joaquim Ribeiro, que herdou o berço culto de sua família, pois era um dos filhos do grande João Ribeiro (ABL), foi um grande educador. Teórico e prático. Admirado por seus alunos de bancos escolares e por outros, como eu, por exemplo, que sorvia sua sabedoria em agradáveis saraus, reuniões familiares e nas mesas de bares, também nas Escolas de Samba do Rio de Janeiro. Grande homem, grande professor, grande educador. Merecida a homenagem do Governo do Estado (creio que a escola é estadual) ao grande Joaquim Ribeiro, também da Academia Brasileira de Filologia à qual, também pertenço. Obrigado pela sua curiosidade! Boa tarde!

Arquivo do blog

Quem sou eu

Minha foto
Balneário Camboriú, Sul/Santa Catarina, Brazil
Sou professor adjunto aposentado da Universidade Federal Fluminense (UFF) e da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Sou formado em Letras Clássicas pela UERJ. Pertenço à Academia Brasileira de Filologia (ABRAFIL), Cadeira Nº 28.