Quantos me visitaram ?

10 de novembro de 2011

QUE HORROR !





Dilma Rousseff disse hoje e o Jornal Nacional da Globo levou ao ar “que o que passou, passou” ao se referir à crise no Ministério do Trabalho, desencadeada pelo horroroso galanteador, Ministro Carlos Lupi. Ora bolas, Sra. Presidente, assim é fácil tentar esclarecer as coisas. Seguindo sua lógica política, podemos dizer também, em relação ao nazismo de Hitler, que o que passou, passou!
Meu Deus, quando é que o nosso país vai ter governantes sérios, honestos e decentes?






ATÉ A PRÓXIMA

9 de novembro de 2011

AS ESGANADAS




O Rio de Janeiro é maravilhoso. O Rio de Janeiro da década de 30 é sensacional. O Rio de Janeiro de Jô Soares de 38 até hoje é muito mais ainda, principalmente romanceada nas “As esganadas”. E é com gana que registro tudo aquilo que vivi e que ninguém mais poderá viver. Simplesmente porque aquele Rio de Janeiro acabou. E como era encantadoramente comovente ouvir as ondas médias em freqüência modulada (com trema) da PRG-3, Rádio Tupi de todos os silvícolas radiofônicos. Sim, porque havia os Tupi e os Tamoios. Tupi e Tamoio de olhos e ouvidos azuis. Querias rir? PRK-30. Hoje, agora, queres se divertir? Leia As esganadas de Jô Soares.
Vêm aí mais comentários.

ATÉ BREVE

3 de novembro de 2011

AGRADEÇO AOS MEUS VISITANTES




AGRADEÇO AOS MEUS VISITANTES DE TODOS ESSES PAÍSES. GOSTARIA DE CUMPRIMENTÁ-LOS PESSOALMENTE, SE FOSSE POSSÍVEL. NESSES ANOS TODOS DE POSTAGENS, FORAM MAIS DE 100 COMENTÁRIOS NESTE BLOG DO "PROFESSOR FEIJÓ". CREIO QUE ESTAMOS CONTRIBUINDO COM A CULTURA EM NOSSA TERRA, TRAZENDO NOSSA OPINIÃO SOBRE OS MAIS DIVERSOS TEMAS, COM UMA VISÃO INDEPENDENTE SOBRE OS FATOS QUE TEIMAM EM DESPERTAR EM MIM CURIOSIDADE, REFLEXÃO E POESIA. OBRIGADO A TODOS OS MEUS LEITORES.





ATÉ BREVE

2 de novembro de 2011

RUI BARBOSA - O HOMEM




No dia 31 de outubro de 2011, ouvi atento o panegírico a Rui Barbosa, apresentado à Academia de Letras de Balneário Camboriú pela acadêmica Leoniza Mac Ginity Vilarino. O evento ocorreu na Biblioteca Púbica Machado de Assis, nessa mesma cidade de Santa Catarina.
Panegírico é um nome que tem origem no grego e significa um discurso laudatório, proferido solenemente em honra a uma pessoa ou a um ser abstrato. O patrono da cadeira nº 28 da Academia de Letras de Balneário Camboriú, Rui Barbosa, foi homenageado, assim, pela Professora Leoniza, com toda pompa e, principalmente, com toda a elegância discursiva de um envolvente elogio à sua vida. A proposta de Leoniza Mac Ginity Vilarino foi a de falar sobre o homem, sua família, seu cotidiano entre amigos em seu solar carioca, no bairro de Botafogo. Chamou a atenção do ouvinte a pesquisa desenvolvida “in locum” pela acadêmica, que foi ao Rio de Janeiro realizar sua proposta e a materializou em distinto livro, intitulado Rui Barbosa, eis o homem, distribuído e autografado ao final da bela sessão noturna. Uma iconografia bem selecionada e de acordo com o tema – o homem Rui Barbosa -, recebeu, ao final do livro o sugestivo e poético título Porta-Retratos. A obra da ilustre professora Leoniza é didicada aos guardiões da memória do insigne brasileiro e a todos os integrantes da Fundação Casa De Rui Barbosa, principalmente aos pesquisadores Rejane Mendes Moreira de Almeida Magalhães e Hugo Porto Soares. Sucinta, mas exata bibliografia termina o livro, pois lá são citados os mais significativos trabalhos dos estudiosos da obra de Rui Barbosa, como João de Scantimburgo, Raimundo Magalhães Júnior, Américo Jacobina Lacombe entre outros. Estão todos de parabéns. A Academia de Letras de Balneário Camboriú, por ter em seus quadros tão inteligente, preparada e simpática professora. Também e principalmente aqueles que desta destacada sessão literária participaram, engrandecendo o evento com suas presenças.

ATÉ BREVE

Arquivo do blog

Quem sou eu

Minha foto
Balneário Camboriú, Sul/Santa Catarina, Brazil
Sou professor adjunto aposentado da Universidade Federal Fluminense (UFF) e da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Sou formado em Letras Clássicas pela UERJ. Pertenço à Academia Brasileira de Filologia (ABRAFIL), Cadeira Nº 28.