Quantos me visitaram ?

9 de junho de 2007

PARABÉNS, LÍNGUA PORTUGUESA. HOJE É O SEU DIA - 10 DE JUNHO



A história da língua portuguesa se funde com a própria história de Portugal e remonta a mais de mil anos, no tempo em que os árabes dominavam a península ibérica. Nas lutas pela reconquista dos territórios ocupados pelos árabes, Dom Henrique, conde de Borgonha, se destacou como bravo guerreiro e recebeu, como prêmio aos serviços prestados à coroa e à causa peninsular, a mão da filha bastarda de Dom Afonso VI, rei de Leão e Castela, Dona Tareja. Como dote foi dado a Dom Henrique parte de um território da região da Galiza, o Condado Portucalense, situado entre o Minho e o Vouga. Do casamento nasceu um menino que recebeu o nome do avô, Afonso e o nome do pai, Henrique. Chamou-se Afonso Henriques. A forma Henriques com ES no final do nome próprio significava FILHO DE. Portanto, Afonso Henriques, neto de Afonso VI e filho de Dom Henrique, conde de Borgonha. Afonso Henriques, mais tarde, rompeu com Castela, lutou contra os exércitos da própria mãe e se fez proclamar rei do condado Portocalense, surgindo, assim, Portugal.

Afonso Henriques foi, portanto, o fundador da nacionalidade portuguesa. Habitou o Castelo de Guimarães, onde nasceu Portugal, hoje, ícone emblemático da nacionalidade portuguesa. Com o desabrochar da nova nação, compreendida na faixa ocidental da grande Hispânia, surgia também o desejo de uma identidade própria. Não foi difícil, visto que naquela região já havia um falar diferente de todos os outros: o galego-português. São do século XII os primeiros textos do novo idioma que nascia, dando identidade lingüística ao povo de Portugal.

Vocês já ouviram falar na Canção da Ribeirinha? Pois bem, trata-se do primeiro documento poético escrito em língua portuguesa. O português vai se cultivar na poesia, na boca dos poetas palacianos, os trovadores. Os reis seguirão o exemplo e se entregarão também às canções de amor e de amigo, de escárnio e de mal-dizer. Mais tarde surgem as novelas de cavalaria e nasce o teatro das ruas, com uma linguagem híbrida e viva, vinda do povo, para o povo, tendo em Gil Vicente o nome de maior expressão. Mas será Luís de Camões quem dará brilho e fulgor ao idioma lusitano. Não por menos, será considerado para sempre o maior gênio da nacionalidade. Unificada, estruturada, servindo de exemplo para a norma culta, a língua de Camões embarcou nas caravelas para África, Ásia e chegou ao Novo Mundo, com Pedro Álvares Cabral. Levou a todo o mundo os hábitos e costumes do grande povo português... “Se mais terra houvera, lá chegara” disse Camões em sua imortal obra, Os Lusíadas.
Os povos que receberam a língua de Camões por herança, conheceram a doçura de suas palavras, os encantos melódicos de sua sintaxe e deram-lhe as nuanças das terras ultramarinas. Hoje é a terceira língua mais falada no planeta e os que a amam sabem que, apesar de ter sido considerada poeticamente por Olavo Bilac como a “última flor do Lácio”, não é inculta, mas vigorosamente bela.

Hoje é o seu dia, língua de nossos irmãos de aquém e além mar. Língua de minha pátria, língua de minha mãe, língua de meus filhos e netos... Língua da igualdade, que uniu povos e continentes, e forjou o significado enigmático da SAUDADE.
Até a próxima.

PIRATARIA x CIDADANIA



Não sei se o que eu ouvi ontem, no jornal da TV local, creio que na Record, em Balneário Camboriú, é fruto de um despreparo total da população para o exercício da cidadania, ou se foi um caso isolado, pontual, como agora é moda se falar na mídia, quando o tema é política. O fato me chamou a atenção por dois motivos. O primeiro foi a notícia em si, quando o apresentador, o âncora do noticiário daquela emissora, disse que a partir desse próximo sábado, dia 9 de junho de 2007, todos os produtos piratas seriam apreendidos por turmas de fiscais da Fazenda. Até aí, tudo bem! Mas acrescentou o nosso locutor: “os moradores de Balneário Camboriú têm todo o dia de hoje para comprar seus CDs, DVDs, e componentes eletrônicos de toda ordem por preços baratíssimos”. Disse isso porque a Prefeitura alertou, com antecedência, todas as barraquinhas dos camelôs que a venda de produtos sem Nota Fiscal estaria proibida e quem não atendesse a essa ordem seria multado e seu estabelecimento comercial fechado. Pensei imediatamente por que só a partir do dia seguinte? Ou isso é crime ou não é, independentemente da época, dia, mês e ano! Percebi também que a Prefeitura tinha pleno conhecimento dessa prática, fato totalmente lamentável, sob todos os sentidos. Mas a matéria continuou com um repórter entrevistando, no local, o Camelódromo Central da Praça da Igreja, vários comerciantes e fregueses, que chegavam até a fazer filas para comprar toda sorte de pirataria eletrônica. O segundo fato que me indignou foi quando começaram as entrevistas. O repórter entrevistou uma lojista que se expressou, num português bem estropiado, sem muita concatenação de idéias, sua indignação pela tal medida moralizadora das autoridades fazendárias do Município. Disse que os CDs originais são muito caros e a população não tem dinheiro para adquiri-los. Defendeu a pirataria e o contrabando de produtos eletro-eletrônicos, vindos do Paraguai, tudo para poder facilitar a vida sofrida do consumidor brasileiro de baixa renda e explorado pelas casas comerciais convencionais, que vendem tudo muito caro, voltando a insistir. Foi mais ou menos essa a tradução que fiz de seu caçanje estropiado. E mais, propôs ali mesmo que se fizesse um abaixo-assinado, pedindo ao governo a liberação da pirataria e da prática do contrabando... Um horror! Mas, pasmem! Uma senhora que se identificou como professora, pegou do microfone do repórter e improvisou um libelo à repressão a todas as práticas de pirataria e contrabando. Disse que assinaria a tal lista e repetiu que esses produtos falsificados eram baratos e os originais muito caros. Tive pena de nossa sociedade e de nossos estudantes, que recebem, certamente, essa e muitas outras informações destorcidas de cidadania. Ninguém, nem mesmo os repórteres e o âncora da Tv deixaram no ar um resquício de repúdio a essa total desinformação.
Se estivesse lá, tentaria convencer os comerciantes do camelódromo a fazerem um abaixo-assinado, isso sim, pedindo às autoridades a redução nos impostos que incidem sobre todos os nossos produtos industrializados e comercializados. Impostos esses os mais caros do mundo. Mas, para isso o povo tem, em primeiro lugar, de se instruir, de preferência em escolas, onde professoras, com aquela mentalidade, não serviriam nem para distribuir a merenda...
Até a próxima!


Arquivo do blog

Quem sou eu

Minha foto
Balneário Camboriú, Sul/Santa Catarina, Brazil
Sou professor adjunto aposentado da Universidade Federal Fluminense (UFF) e da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Sou formado em Letras Clássicas pela UERJ. Pertenço à Academia Brasileira de Filologia (ABRAFIL), Cadeira Nº 28.