Quantos me visitaram ?

9 de março de 2013

TEIAS DO TEMPO



Maria José Lima de Toledo Sanches Figueiredo é desses nomes mágicos que poderiam ser desdobrados em vários outros nomes artísticos, mas todos marcando a mesma personalidade vibrante, alegre e inteligente dessa mulher polivalente no campo das artes. Professora de História, formada pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), atuou no Colégio Pedro II, na Faculdade de Educação da UERJ e em seu Colégio de Aplicação, Fernando Rodrigues da Silveira. Além da sala de aula que dominava com sua marca registrada de alegre e dinâmica professora, querida por todos os alunos, por seu preparo e por sua magnífica didática, é pintora, atriz e escultora. Possui inúmeros livros publicados, desde 2002 e, agora, nos brinda com este TEIAS DO TEMPO, um livro de memórias.
Conheci Maria José, lá atrás no tempo, em Jacarepaguá, quando, ainda criança. Morávamos na mesma avenida, a Av. Geremário Dantas. A casa dela ficava pertinho da chácara de meu avô materno, onde, praticamente, me criei. Reencontramo-nos da Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da UDF, hoje UERJ. A mesma profissão que abraçamos serviu para que, a partir da faculdade, estivéssemos durante muitos anos sempre perto um do outro, em Congressos, Simpósios, Cursos e em muitas reuniões sociais, em nossas casas, pois criamos um laço tão estreito de amizade que nos tornamos compadres. Seu marido, Cláudio José Figueiredo, e eu sempre fomos entusiasmados profissionais e, posso dizer com orgulho, que, de certa forma, contribuímos significativamente para o desenvolvimento do Ensino Médio no Estado do Rio Janeiro, revolucionando a Didática Geral, disciplina que Cláudio domina com excelência. Nossas vidas profissionais, portanto, se entrelaçaram no âmbito da Educação e estamos, por isso mesmo, eu e minha esposa Glorinha, lembrados nesse texto memorialista de Maria José.
Seu estilo simples, direto e coloquial nos revela uma escritura sem ressentimentos do passado, sem pieguismos, sempre revelando sua família, com intenso amor e singelas passagens poéticas. Esse caminho que vem do passado ao presente traz ao leitor a possibilidade de recordar dados de nossa história recente, muitas vezes esquecidos por muita gente! Maria José aproveitou suas viagens – e foram muitas – para olhar, com sua visão de historiadora, as surpreendentes e instigantes paisagens de países e regiões  por que passou, num périplo turístico e profissional, registrando dados da história factual desses sítios, bem como a importância que tiveram em outras áreas, movimentando o comércio e demais atividades aceleradoras do progresso e desenvolvimento. Mas Maria José foi mais além. Foi mais longe. Andou por todas as dependências, por todos os cômodos das casas e dos palácios que visitou e que a abrigou. Terminou na varanda. “Conversar na varanda foi meu objetivo. Verifiquei o quanto as pessoas são gratas a essa atividade, principalmente lembrando fatos de suas vidas. Realmente, a memória é a nossa identidade, a nossa alma”. Assim inicia a parte final de seu livro TEIA DOS TEMPOS. Nas varandas, Maria José entrevistou um pintor; uma bailarina; uma escritora e uma gueixa, esta, talvez admirando o azul do mar da ilha de Honshu, a maior e a mais populosa ilha do Império Japonês...
Belo livro de memórias. Parabéns, Professora Maria José, comadre e amiga!

ATÉ A PRÓXIMA

2 comentários:

Claudia Sanches disse...

Estou respondendo em nome de minha mae Maria josé , ela quer. Agradecer carinhosamente. Emocionou-se com a infância de jacarepagua ,e com a viajem a portugal com vc e Glorinha, beijos.saudosos , embreve vc.estará recebendo uma carta, bjbjbj

Serena disse...

7937 Prof. Feijo primeiramente quero parabeniza-lo pelo Blog que acompanho ha algum tempo. A Prof. Maria Jose foi a mais importante e vibrante professora de Historia do querido Colegio de Aplicaçao. Como aluna devo tudo ao Colegio cujo hino nunca esqueci: "Honrando a cultura brasileira real verdadeira salve o patrono Fernando Rodrigues da Silveira". Fiz o Mestrado e o doutorado de Historia graças ao antigocurso ginasial e curso classico. Tempos inesqueciveis... Clara Emilia Monteiro de barros Malhano.

Arquivo do blog

Quem sou eu

Minha foto
Balneário Camboriú, Sul/Santa Catarina, Brazil
Sou professor adjunto aposentado da Universidade Federal Fluminense (UFF) e da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Sou formado em Letras Clássicas pela UERJ. Pertenço à Academia Brasileira de Filologia (ABRAFIL), Cadeira Nº 28.