Quantos me visitaram ?

9 de abril de 2013

PEQUENO LIVRO DE HERMES PATRIANOVA



Meu amigo, o poeta Luigi Maurizi, sabendo de meu interesse sobre tudo que diz respeito às formas de comunicação orais e escritas, além das histórias dessas plagas catarinenses por onde ando e ele se inspira, para produzir seus belos versos, presenteou-me com a obra de Hermes Justino Patrianova, cujo intrigante título "PEQUENO LIVRO", fez com que eu o devorasse em poucas horas e anotasse muitas coisas em meus arquivos. Agora, fica parte dessas anotações registrada aqui neste BLOG, para meus leitores conhecerem mais um autor catarinense, apaixonado pelas coisas dessas bonitas terras do sul. O livro é uma edição rara do autor, publicada em Florianópolis, em 1986. Hermes Justino Patrianova era catarinense, de Imaruí, nascido no dia 24 de outubro de 1910. Foi contabilista e funcionário público. Aposentou-se pela Receita Estadual. Viveu muitos anos em Itajaí. O "Pequeno Livro", de Hermes Justino Patrianova mostra como o sul do Brasil ficou isolado culturalmente do eixo Rio-São Paulo, durante muitos anos. A ânsia do autor  conhecer as fontes necessárias às suas investigações de campo, mas inacessíveis ao seu trabalho de gabinete, é constante e está presente em toda obra. A vontade de pesquisar e de opinar esbarrava sempre no pouco material à sua disposição, mas, mesmo assim, Patrianova não esmoreceu. Buscou o que podia e o que estava ao seu alcance. Sem formação específica superior, enveredou pelas aleias linguísticas e tentou descobrir as origens da fala de um povo e de como os antigos falavam e se expressavam. Tentou explicar por que falavam dessa ou daquela maneira e buscou as origens de muitos termos da língua oral e de nossa onomasiologia, principalmente as de origens tupi. Seu esforço foi hercúleo, mas suas análises, sem fundamentação científica, ficaram a desejar melhor interpretação dos fenômenos linguísticos e sociológicos. Contudo, seu conhecimento da história factual de muitos municípios de Santa Catarina conseguiu trazer para o leitor a visão de um mundo repleto de fatos e “causos” que, de certa maneira, foram explicados e analisados de maneira peculiar, muito mais por sua inteligência e argúcia, do que pelo seu preparo e estudo específicos. Perseguia Patrianova o objetivo de levar a seus pósteros aquilo que tinha acontecido e o que estava acontecendo com seu povo. Queria explicar sempre o que o povo falava. Hoje, esse é um livro histórico, um livro “abre-caminho”, que pertence a um passado e não pode ser visto como fonte ou referência, mas será sempre um grande e louvável esforço de alguém que percebeu a sua potencialidade intelectual, acreditou nisso, mas que ficou paralisado pela incompetência da competência do Estado em disseminar a cultura, em todas as suas manifestações culturais, inclusive, e principalmente, através da educação de seu povo.

ATÉ A PRÓXIMA

Nenhum comentário:

Arquivo do blog

Quem sou eu

Minha foto
Balneário Camboriú, Sul/Santa Catarina, Brazil
Sou professor adjunto aposentado da Universidade Federal Fluminense (UFF) e da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Sou formado em Letras Clássicas pela UERJ. Pertenço à Academia Brasileira de Filologia (ABRAFIL), Cadeira Nº 28.