Quantos me visitaram ?

1 de março de 2015

RIO-SONHO* (Versão 2015)







O Gigante Adormecido da Barra da Tijuca

engoliu o sol dos cariocas.

                                          Anoiteceu na Guanabara.

A vida faiscou nos vales

nas montanhas

                                   nas favelas

nas praças

                ruas

                      e boates.



Acenderem-se velas nas encruzilhadas

e as praias refletiram coloridos.

                O Cristo fechou os olhos

                e adormeceu.

(Seu sono divino abençoou

a cidade do Corcovado)

                                   A natureza zelou o seu repouso.

As ondas cantaram cantigas de roda

dos tempos da corte portuguesa.

Fez-se silêncio de largo do Boticário...



                 E o Rio de Matacavalos

                 da rua da Vala

                 do largo do Paço

                 dos negros nas ruas

                 do caxangá

                 vencia os séculos

                 Crescia...

                       Crescia...

                            Crescia...



Buzinas longínquas

                              Soavam

                              como

                              sinos

da Glória que olham

o mar acimentado.

                    E o vento soprou da entrada da barra

                    assoviando no Pão de Açúcar.



No meio da noite

ligeiro ligeiro

o morro desceu

desceu pra sambar

sambou a favela

cuíca pandeiro

mulata dengosa

garota cheirosa

mexendo ligeiro

o corpo faceiro

queimando todinho

pelo sol que já vem.



                                 Voaram andorinhas sonolentas

                                 que moram na Catedral.

                     Roncou o motor

                     chegou do subúrbio um trem da Central.

                                  Apitou o navio

                                  nas águas que viram caravelas.

                     Caravelas de Portugal.



Marcharam os soldados

de Estácio de Sá.

                      Fragatas guerreiras

                      canoas de índios

                      Tamoios Tupis de olhos azuis.



E o Rio reinou

reinou e sonhou

foi majestade

foi imperador.

Dançou nos salões

iluminados da corte.



                        Ao som da metralha

                        fez história

                        com glória

                        para o porvir.

                        Escreveu seu nome no livro da liberdade

                        e amou.



                        Cresceu com o amor

                        libertou os escravos

                        e cantou a marcha triunfal

                        das grandes nações.



Dos índios das praias

aos bravos soldados

dos campos da Europa

se orgulha do filho forte...

                        
                        Na ponta de terra,                   

                        banhada por mar

                        alteia-se a tribo

                        de nobres guerreiros

                        da forte nação.



-Eu te abençoo, pedaço de terra

esverdeada

em campo de areia.

Surja com o sol de cada dia

a tua felicidade, Rio-Cidade

Rio-Sonho



Sonho de um Deus petrificado

no alto do monte

eternamente

pregando o Sermão da

Bem-aventurança...



O sol iluminou o mundo encantado

e o Cristo acordou feliz

porque sonhou quatrocentos e cinquenta anos

de Cidade Maravilhosa.

*O poema original eu publiquei em 1965, homenageando o quarto centenário da Cidade do Rio de Janeiro e consta de meu livro REMORRO,  Livraria El-Dorado - Tijuca - , Rio de Janeiro, 1968, .

ATÉ A PRÓXIMA 

Nenhum comentário:

Arquivo do blog

Quem sou eu

Minha foto
Balneário Camboriú, Sul/Santa Catarina, Brazil
Sou professor adjunto aposentado da Universidade Federal Fluminense (UFF) e da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Sou formado em Letras Clássicas pela UERJ. Pertenço à Academia Brasileira de Filologia (ABRAFIL), Cadeira Nº 28.