Quantos me visitaram ?

12 de fevereiro de 2017

SÃO PAULO PROTESTA COM POESIA E NÃO COM PICHAÇÕES

            


Há 95 anos, precisamente, quando se queria protestar, usavam-se formas poéticas para se criarem novas estéticas, que ocupariam os lugares das então já desgastadas. Era assim, mesmo! Há 95 anos, São Paulo usou a poesia para protestar.
Hoje, parece que as classes sociais mais intelectualizadas ainda não se deram conta disso. Sirvo-me de um exemplo bem emblemático. Duas repórteres da prestigiosa Rádio CBN / SP, entrevistando o atual prefeito da capital paulista, se deram mal e caíram no ridículo. Uma delas, querendo colocar o prefeito, João Dória, em saia justa, leu uma nota em que a Rede de Sustentabilidade pediu à Vara da Fazenda Estadual que determinasse a suspensão imediata da remoção dos grafites e das pichações, alegando que o prefeito não tem competência para decidir o que é arte e o que não é arte. Ora, a resposta foi magnífica, pois, segundo João Dória, no Brasil ainda existe justiça inteligente e ela não daria guarida a uma bobagem desse quilate. As duas, a partir daí, nada mais puderam fazer, no sentido de seu propósito inicial, que era, nitidamente, de colocar o prefeito de São Paulo em maus lençóis com seu eleitorado.
Isso serve de introdução para lembrarmos que a cidade de São Paulo e o Brasil estão comemorando nessa semana de 11 a 18 de fevereiro de 2017, 95 anos da Semana de Arte Moderna e a Prefeitura tem de preparar a cidade para essa importante efeméride, limpando, entre outras coisas, seus espaços públicos e privados da sujeira das pichações, que jamais foram arte ou formas de protesto intelectual contra qualquer estética e, muito menos, protesto contra um modo de produção, ou contra qualquer forma discriminada de existência social de minorias excluídas e, também, de maiorias imbecilizadas.
A semana de Arte Moderna, como se sabe, teve início em 1922, com inúmeras comemorações e eventos na cidade de São Paulo, mas o principal deles foi, sem dúvida, o realizado na semana de 11 a 18 de fevereiro, no Teatro Municipal da cidade. É claro que o ambiente já estava preparado, com inúmeros antecedentes, como, para citar apenas dois, a ligação de Ronald de Carvalho a Luís Montalvor para fundar a revista Orpheu, em Portugal, revista a que Fernando Pessoa e Mário de Sá-Carneiro emprestaram o brilho de seus talentos. O segundo importante antecedente seria a participação de Murilo Araújo, em Carrilhões, com formas poéticas destoantes do simbolismo, numa predisposição para uma nova estética que não tardaria a surgir, corroborando com a tese defendida por Maurice Bowra, em seu livro The Heritage of Simbolism. Mas é claro que a Semana de Arte Moderna deu corpo, sentido e divulgação ao Modernismo Brasileiro, com as figuras de primeiro plano, tendo à frente Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Renato de Almeida, Menotti Del Picchia, Paulo Prado, Guilherme de Almeida, Sérgio Milliet, a pintora Anita Malfatti e o pintor Di Cavalcanti, entre outros. Seus temas transformadores e seus postulados giravam em torno da intensa brasilidade, liberdade de pesquisa estética e a adoção do verso livre, liberto das amarras parnasianas. Nesse ambiente nasceu o movimento revolucionário de São Paulo que mexeu para sempre com a visão estética de nossas letras, de nossa música e de nossas artes plásticas em geral, tudo divulgado pelo principal órgão literário, a Revista Klaxcon, que chamou para suas páginas os textos de poetas e de todos os tipos de escritores do Rio de Janeiro, como Manuel Bandeira, Álvaro Moreyra e Ribeiro Couto, entre outros. O escritor Graça Aranha, autor de Canaã, aderiu ao movimento, valorizando-o com o inegável prestígio intelectual de seu nome.                                                    O futurista Oswald de Andrade, que participou intensamente deste espetáculo cultural da cidade paulistana, legou-nos o primitivismo pau-brasil e o antropofagismo, uma diversificação dessa sua inusitada estética, que o caracterizaria como uma das mais importantes figuras modernistas.
Não poderíamos deixar passar essa data tão significativa para a cultura brasileira de um modo geral e, em particular, para a cultura literária que, indiscutivelmente, se separariam das matrizes ancestrais, com diversidades estéticas, mas com uma profunda conscientização de que as rupturas não desagregam, mas unem instâncias do tempo, mostrando que o presente pode se projetar para o futuro, não destruindo o passado, mas retirando dele o que, supostamente, não tem mais valor.  São Paulo protestou, há 95 anos, com poesia e não com pichações.

ATÉ A PRÓXIMA


Nenhum comentário:

Arquivo do blog

Quem sou eu

Minha foto
Balneário Camboriú, Sul/Santa Catarina, Brazil
Sou professor adjunto aposentado da Universidade Federal Fluminense (UFF) e da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Sou formado em Letras Clássicas pela UERJ. Pertenço à Academia Brasileira de Filologia (ABRAFIL), Cadeira Nº 28.