Quantos me visitaram ?

13 de março de 2008

ANACOLUTO

De 18 a 22 de fevereiro de 2008, realizou-se na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), patrocinada pela ACADEMIA BRASILEIRA DE FILOLOGIA, a VIII Semana Nacional de Língua Portuguesa, quando foi homenageado o Professor Evanildo Bechara, pela passagem de seus 80 anos. As atividades culturais foram significativas e todos os acadêmicos tiveram a oportunidade de levar ao público presente, nesses cinco dias, sua palavra amiga de saudação a um dos mais significativos nomes da filologia brasileira, o Dr. Prof. Evanildo Bechara, da Academia Brasileira de Letras e da Academia Brasileira de Filologia. Na ocasião, precisamente no dia 21, participei de uma Mesa-Redonda sobre o tema “ORALIDADE E ESCRITA”, cuja expositora foi a Profa. Dra. Terezinha Maria da Fonseca Passos Bittencourt (UFF e LLP), tendo como comentadores os Professores Doutores Francisco Venceslau dos Santos (UERJ), Nilda dos Santos Cabral (UFF e LLP), Ceila Ferreira Martins (LABEC-GCL-UFF) e eu. Meus comentários giraram em torno das pesquisas que realizo sobre a linguagem especial do futebol. Reproduzo agora, minha participação, como forma, ainda, de cultuar academicamente o ilustre mestre Evanildo Bechara, amigo e colega de muitos anos, na luta diária das salas de aulas de inúmeros colégios e faculdades, no Rio de Janeiro.



Em minhas pesquisas sobre a linguagem especial do futebol confirma-se aquela máxima lingüística que diz que ninguém escreve como fala. Em nenhum comentário sobre qualquer partida de futebol, que aparece posteriormente nos jornais, o analista deixa de apresentar seus comentários, retratados na escrita, numa forma gramatical correta, deixando de lado muitas pontuações da oralidade, como, por exemplo, os anacolutos. Mas a fala dos locutores e comentaristas, descrevendo e analisando os acontecimentos em campo, está repleta dos mais clássicos vícios de linguagem e impropriedades gramaticais, muitas até irrelevantes. Dou como exemplo o uso do verbo assistir, no sentido de ver, presenciar, principalmente usado na voz passiva, como em “O jogo foi assistido por dez mil expectadores”. Mas voltando aos anacolutos. Eles podem ser considerados como verdadeiras marcas da oralidade, pelo menos nesses casos que pesquiso. Sabemos que o anacoluto ou FRASE QUEBRADA foi muito usado no grego antigo e na nossa literatura clássica, sendo hoje combatido pela disciplina gramatical, como, aliás, afirma Mattoso Câmara Jr. Mas a língua literária ainda está repleta de anacolutos e, na língua escrita, funcionam muito mais como marca estética do que como sobreposição de pensamentos que surgem, uns após outros, como, por exemplo, no decorrer de uma transmissão esportiva ou no auge de um comentário emocionante, feito por jornalista especializado nessa área. O conhecido anacoluto do clássico soneto de Machado de Assis, À Carolina, no último terceto “Que eu, se tenho nos olhos mal feridos/Pensamentos de vida formulados,/São pensamentos idos e vividos”, é um recurso estilístico de intensa pujança, sugerindo mesmo um soluço de dor. Mas a elaboração e o refinamento ao se escrever, tudo bem pensado, bem refletido, ou até mesmo intuitivo, é que vão diferenciar o anacoluto da língua escrita do anacoluto da língua oral. Podemos procurar nas resenhas esportivas escritas nos jornais, sobre os resultados dos jogos do dia anterior e não vamos encontrar nenhum vestígio dessa filigrana, representada por essa figura da língua literária. Na linguagem esportiva, lembro-me dos comentários sobre as arbitragens de futebol feitas pelo comentarista Mário Vianna (com dois ENES, como ele insistia em dizer em alto e bom som), ex-árbitro de futebol e que fazia a linha “bateu-levou”, dentro e fora de campo. Quando era chamado, no decorrer do jogo, pelo narrador da partida, para comentar uma decisão tomada pelo juiz, podíamos encontrar na sua falação inúmeros anacolutos. Mário Vianna falava por anacoluto. Quem não se lembra da expressão que ele gritava ao microfone: LA MANO, LA MANO.... E com essa expressão da língua castelhana ele punha em relevo a idéia primordial que tinha em mente (a falta, a mão na bola), destacando-a como a grande mensagem sobre a qual iria falar. Outra passagem célebre de Mário Viana ocorreu quando ele disse que o porco e o peru eram duas aves que sempre compareciam ao campo de futebol: o peru, referindo-se a um “enorme frango” do goleiro e o porco.... Bem, o porco foi a imagem encontrada para o juiz que faz muita bobagem. É claro que por mais desinformado que Mário Vianna fosse sobre os assuntos mais elaborados, da ciência, inclusive, ele não iria escrever isso. Mas falando, no auge de um comentário, querendo agradar seu público, querendo mostrar que entendia do seu ofício, ele colocou como pertencentes à mesma espécie um ovíparo e um mamífero. Haja coração!

2 comentários:

DANILO disse...

Olá, Prof. Feijó, tudo bem? Sou estudante de Letras da UFRJ e também louco por futebol. O seu blog está muito bom, especialmente por mostrar os estudos lingüisticos que se pode fazer usando expressões futebolísticas!!! Tentarei procurar o seu livro nas livrarias do Rio!!!E sempre que eu puder, darei uma passada por aqui!!!! Um grande abraço!

Monitor de LCD disse...

Hello. This post is likeable, and your blog is very interesting, congratulations :-). I will add in my blogroll =). If possible gives a last there on my blog, it is about the Monitor de LCD, I hope you enjoy. The address is http://monitor-de-lcd.blogspot.com. A hug.

Arquivo do blog

Quem sou eu

Minha foto
Balneário Camboriú, Sul/Santa Catarina, Brazil
Sou professor adjunto aposentado da Universidade Federal Fluminense (UFF) e da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Sou formado em Letras Clássicas pela UERJ. Pertenço à Academia Brasileira de Filologia (ABRAFIL), Cadeira Nº 28.