Quantos me visitaram ?

21 de abril de 2018

ADEUS A UM AMIGO




Hoje, dia 21 de abril de 2018, a Academia Brasileira de Filologia (ABRAFIL), através do acadêmico, Professor Carlos Eduardo Falcão Uchôa prestará homenagem à memória de nosso confrade Rosalvo do Valle, recentemente falecido. Como não poderei comparecer, sirvo-me do texto que segue, para também expressar meus sentimentos ao querido amigo, emérito professor, filólogo e latinista, que nos deixou há muito pouco tempo.



Relendo o magnífico conto do Padre Manoel Bernardes, O Monge e o Passarinho, fui interrompido pelo toque estridente do telefone. Confirmado. Mais um querido amigo partira para aquela dimensão estrutural do mundo de Bernardes. Tristeza. Era a terceira hora do dia e as nonas se faziam presentes. À janela, meditativo, também fui atraído pelo voo de um negligente e distraído pássaro azul que pousou no telhado do prédio vizinho, avistado de meu quarto. Seus constantes piados, ensaiando um canto, conseguiram me entorpecer. Parece que cochilei. Era um corredor claro, rodeado de bancos longos, ocupados por pessoas alegres e tranquilas. Passando por elas, as reconhecia perfeitamente. Estavam ali meus amigos de verdade, alegres e satisfeitos, todos com livros abertos diante de seus olhos penetrantes nas leituras proveitosas que realizavam. Alguns os tinham debaixo dos braços, como se a leitura fora interrompida há pouco tempo. Outros anotavam nas próprias folhas suas considerações notáveis, forma de estudo que muitos deles me ensinaram. Havia os que comparavam textos de livros diferentes. Outros escreviam poemas. Alguns traduziam e vertiam textos clássicos. Realmente, eram os meus amigos! Todos estiveram presentes na história de minha vida.  Ao retornar pelo mesmo corredor etéreo, uma nuvem hialina, bem fina, me envolveu e, arrepiado, ouvi as vozes de ninfas e tágides a cantar elegias fúnebres e sentidas. Abracei, emocionado o recém-chegado. Separamo-nos e percebi estar com plumas azuis nas mãos. Plumas que o vento morno da manhã havia me trazido desde o telhado da casa ao lado, para a inquietação da vida que não para sequer por minuto apenas, mesmo se estando trezentos anos junto ao Senhor. Mais um querido companheiro partiu para o céu! Foi discutir erudita simplicidade e muita sabedoria com os santos anjos. Adeus, Rosalvo do Valle!  



ATÉ A PRÓXIMA


Nenhum comentário:

Arquivo do blog

Quem sou eu

Minha foto
Balneário Camboriú, Sul/Santa Catarina, Brazil
Sou professor adjunto aposentado da Universidade Federal Fluminense (UFF) e da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Sou formado em Letras Clássicas pela UERJ. Pertenço à Academia Brasileira de Filologia (ABRAFIL), Cadeira Nº 28.