Quantos me visitaram ?

10 de junho de 2013

Há 433 anos, no dia 10 de junho de 1580, morreu Luís de Camões.

Há 433 anos, no dia 10 de junho de 1580, morreu Luís de Camões.

Em 10 de junho de 1580 morria o poeta português, Luís de Camões. E em homenagem ao  maior vate de nossa língua e ao maior estudioso brasileiro de sua lírica, o Professor Leodegário Amarante de Azevedo Filho, transcrevo um dos mais belos e também discutidos sonetos de Camões: “Mostrando no tempo está variedades”. Sobre a discussão recaiu o minucioso e erudito estudo de Leodegário Azevedo Filho a respeito das apregoadas contradições imputadas ao “Índice” do Cancioneiro do Padre Pedro Ribeiro. Toda uma contradição incidia sobre este soneto. Camões e Diego Bernardes são os poetas que a crítica especializada e a ecdótica dão como possíveis autores do poema. Em PR 93, Camões é dado como seu autor. Mas com o incipit Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades”, o autor indicado é Diego Bernardes. Então, coube ao Professor Leodegário Azevedo Filho estabelecer o verdadeiro texto camoneano ("Mostrando o tempo, está variedades), diferente da possível paráfrase, talvez escrita por Diego Brenardes. Vamos ao soneto, com toda a certeza, escrito por Camões, numa dupla homenagem, nesse dia 10 de junho.

Mostrando o tempo, está variedades,
por onde o que se espera não se alcança;
todo o mundo é composto de mudança,
tomando sempre novas qualidades.

Continuamente vemos novidades
diferentes em tudo da esperança;
do mal ficam as mágoas da lembrança
e do bem (se algum houve) as saudades.

O tempo cobre o chão de verde manto,
que já coberto foi de neve fria;
e, em mi, converte em choro o doce canto.

E afora este mudar-se cada dia
outra mudança faz de mor espanto,
que não se muda já como soía.

ATÉ A PRÓXIMA


Nenhum comentário:

Arquivo do blog

Quem sou eu

Minha foto
Balneário Camboriú, Sul/Santa Catarina, Brazil
Sou professor adjunto aposentado da Universidade Federal Fluminense (UFF) e da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Sou formado em Letras Clássicas pela UERJ. Pertenço à Academia Brasileira de Filologia (ABRAFIL), Cadeira Nº 28.