Quantos me visitaram ?

21 de dezembro de 2007

LUDOPEDURSOFILIA



Essas máquinas de aparência inocente, instaladas em todos os centros de entretenimento infantil nos shoppings das cidades, são, na realidade, máquinas caça-níqueis. Máquinas de jogar, programadas para nunca perder: um jogo desleal (LUDOS). Deveria o seu uso ser motivo de um estudo detalhado por parte das autoridades responsáveis pela liberação do alvará de funcionamento desses estabelecimentos que alegram os minutos de vida de muitas crianças (PEDOS) e entristecem o bolso dos papais, mamães, vovós, vovôs, titios e titias... Nesses locais onde estão instaladas, crianças de pouca idade, o que vale dizer de pouca ou quase nenhuma coordenação motora, tentam apanhar o tão sonhado e ilusório objeto de seu desejo: o ursinho (URSO) de pelúcia. O funcionamento daquela parafernália, com ganchos, botões, manivelas, sons e engrenagens dura somente alguns segundos. A criança ainda sem coordenação motora perde seguidamente a oportunidade de pegar o brinde e o bolso do papai perde seguidamente dois reais a cada dez segundos. Então, parece-nos que estamos diante de um jogo de azar, onde as chances são mínimas e o lucro é certo, numa programação extorsiva. As crianças adoram e se relacionam com aquela magia colorida, identificando-se como amiguinhas (FILIA) dos fofos bonequinhos. Que adultos tentem fisgar o ursinho, testando a sua habilidade em coordenar seus movimentos, sua motricidade muscular, tudo bem. Mas crianças, de pouca idade, não poderiam tentar esses movimentos, pois estão, a priori, destinadas ao fracasso. E a frustração deixada numa cabecinha inocente, a nosso juízo, deixa seqüelas psicológicas ainda não estudadas pela psicologia infantil e nada consta ainda na literatura específica, a respeito dessa forma mascarada de contravenção. Isso é um absurdo que deve ser reprimido por quem de direito. Minha neta de oito anos gastou, em menos de trinta segundos, seis reais, tentando agarrar os bichinhos de pelúcia vestidos de papai-noel, num shopping da cidade onde passa férias comigo. Chamei a responsável pelo setor, disse-lhe tudo isso que coloco aqui neste desabafo e me dirigi à Ouvidoria do Ministério Público da cidade, para formalizar minha indignação e pedir providências a respeito. Pelo menos, depois disso, sinto-me mais aliviado, pois fiz a minha parte, como cidadão, alertando as autoridades para um tipo mafioso de ganho fácil, explorando a inocência infantil. Que nome teria isso? Digamos, num desabafo lingüístico, um baita neologismo já, de certa forma anunciado acima: LUDOPEDURSOFILIA

5 comentários:

Anônimo disse...

Professor, quanto despreparo emocional, jamais caracterizaria contravenção, e é ridiculo sua comparação com as maquinas caça-niqueis pois estas sim a pessoa joga no intuito de ganhar dinheiro, agora essas maquinas de diversões em shopping, a diversão esta no simples fato de brincar com a garra que chama-se grua, o resultado fim de pegar ou não o urso, seria de muita inocência o senhor achar que com apenas 6 reais conseguiria capturar um urso que custa no mínimo 15 reais, lamentavel uma indignação tão banal partindo de uma pessoa com conhecimento vasto e de cultura exemplar, utilize-se do seu descontentamento para contribuir com um País melhor dando idéias que ajudarão a sociedade como um todo e não criticando um simples brinquedo que no que me parece brinca quem quiser. Grato

Professor Feijó disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Professor Feijó disse...

PREZADA. O MINISTÉRIO PÚBLICO GOSTOU E ESTÁ TOMANDO (OU TOMOU) PROVIDÊNCIAS. CREIO QUE NO TEMPO DE FUNCIONAMENTO DA ARMADILHA OU COISA PARECIDA. DESCULPE-ME, MAS CREIO QUE VOCÊ ESTÁ NA CONTRAMÃO DA CIDADANIA OU NÃO ENTENDEU MINHAS PALAVRAS, QUE SERVIRAM TAMBÉM PARA INTRODUZIR NO VOLP MAIS UM VOCÁBULO, QUE O BECHARA ADOROU!
OBRIGADO PELA LEITURA DE MEUS TEXTOS E UM ABRAÇO SEM NENHUM DESESPERO EMOCIONAL...
PROF. FEIJÓ

Allan Gutier disse...

De 100% das vezes que jogo nesta máquina, 80% das vezes eu consigo retirar os ursos da máquina pra minha namorada, nas jogadas, os outros 20% ouve a perda, porém qual é o pai que vai deixar a criança pegar ? ai é pra perder mesmo, antes de se jogar é preciso analisar os bichos que estão em posição mais fácil de se pegar e não simplesmente pegar o que quer.

Professor Feijó disse...

Obrigado, Allan Gutier, pelo comentário. Entendi sua posição. Abraço.

Arquivo do blog

Quem sou eu

Minha foto
Balneário Camboriú, Sul/Santa Catarina, Brazil
Sou professor adjunto aposentado da Universidade Federal Fluminense (UFF) e da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Sou formado em Letras Clássicas pela UERJ. Pertenço à Academia Brasileira de Filologia (ABRAFIL), Cadeira Nº 28.