Quantos me visitaram ?

9 de julho de 2006

QUE FEIO, ZIDANE !


A Itália mereceu o título porque aprendeu a bater pênalti. Mas a França jogou bem e dominou os quatro tempos da partida. É claro que incluo a prorrogação. Mas Zidane, com aquela cabeçada de vaca louca, atingindo um compridão, zagueiro italiano, muito inteligente, amargou funesta despedida profissional. Não foi nem apanhar a medalha de prata... Mas por que dizemos que o zagueiro italiano foi inteligente. Pela imagem recuperada, vimos Zidane acompanhar Materazzi, discutindo ou falando muitas coisas e ouvindo outras tantas. Aí, o francês ultrapassa o italiano e, de frente para ele, abaixa a careca e taca uma cabeçada no peito do cara, de tirar o fôlego. O que teria acontecido? Xingar a mãe foi pouco. Houve coisa muito séria dita pelo italiano a Zidane, naqueles segundos fatídicos. Mas nada justifica uma agressão. Todo o estádio viu. O bandeirinha dedurou o semicarrasco do Brasil (lembram-se do passe para o gol de Thierry Henry?) e aquele que deveria ser considerado o melhor jogador da Copa foi para o vestiário definitivamente e, talvez, será o prato predileto de muitos comentaristas esportivos, por muito tempo. O francês não é lá de muita briga, não. Mas não foi sua primeira expulsão em Copas. Até então era o maestro da França, que parecia afinada para cantar a Marselhesa, no final da prorrogação. Estava melhor e poderia ganhar no tempo regulamentar e até nos pênaltis. Mas a França não se entregou e partiu pra cima da Itália, mesmo com dez jogadores. Contudo, a expulsão de Zidane mexeu com os jogadores franceses. Se o Brasil perdeu com um fiasco, a França se despediu também com um outro, muito significativo. O fiascão do seu melhor jogador e, talvez, o grande nome de toda a Copa. Uma pena!

Nenhum comentário:

Arquivo do blog

Quem sou eu

Minha foto
Balneário Camboriú, Sul/Santa Catarina, Brazil
Sou professor adjunto aposentado da Universidade Federal Fluminense (UFF) e da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Sou formado em Letras Clássicas pela UERJ. Pertenço à Academia Brasileira de Filologia (ABRAFIL), Cadeira Nº 28.