Quantos me visitaram ?

10 de julho de 2006

A ITÁLIA É TETRA

A Itália agora é tetra. Demonstrou raça e vontade, o que nos faltou o tempo todo, nas medíocres apresentações de nossa Seleção, em campos germânicos. Parabéns à azurra que não amarelou. Merecido o título. Agora vem o Roberto Carlos, no Fantástico, e diz que não tinha nada o que fazer na ocasião em que Thiery Henry nos despachou para casa. Ora bola, seu Roberto Carlos! Eu é que não tinha nada que fazer lá na área. Nem eu nem os cento e oitenta milhões de brasileiros que ficamos amargando uma derrota besta! Esse jogador pensa que somos otários? Para dizer essa bobagem não precisava aceitar dar nenhuma entrevista. Mandava um bilhete pra produção do programa e estava tudo resolvido... Mas como o brasileiro não tem memória, é possível que daqui a alguns meses estejamos torcendo pelo Real Madri, num jogo qualquer, em que o “lateral-estátua” esteja em campo, nos gramados espanhóis. Pior mesmo do que essa desculpa esfarrapada do “jogador-cantor” foi a maluca fala do Cafu, colocando-se à disposição da futura Comissão Técnica da CBF, para a Copa de 2010, na África do Sul.
Daqui a quatro anos, haverá, sim, milhares e milhares de gnus nas savanas de África, e não nos gramados dos estádios de lá. Minha gente, não vamos confundir Cafu com Gnu.

Nenhum comentário:

Arquivo do blog

Quem sou eu

Minha foto
Balneário Camboriú, Sul/Santa Catarina, Brazil
Sou professor adjunto aposentado da Universidade Federal Fluminense (UFF) e da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Sou formado em Letras Clássicas pela UERJ. Pertenço à Academia Brasileira de Filologia (ABRAFIL), Cadeira Nº 28.